sexta-feira, 14 de novembro de 2008

eterno volteado




















Aquilo era a tristonha travessia, pois então era preciso. Água de rio que arrasta.

Dias que durasse, durasse; até meses. Agora, eu não me importava. Hoje, eu penso,

o senhor sabe: acho que o sentir da gente volteia, mas em certos modos rodando em

si por regras. O prazer muito vira medo, o medo vai vira ódio, o ódio vira esse desespero?

- desespero é bom que vira a maior tristeza, constante então para o um amor-quanta saudade...-; aí , outra esperança já vem....



Guimarães Rosa

* imagem: colagem sobre papel

1 comentário:

senhorita feliciana disse...

essa linda imagem...
transgoteia alá guimarães
azulaxa na pacota de concreta

te escrevi no teletrasnporte do outro dia...