terça-feira, 13 de abril de 2010

vem

saudade não é mais folha em branco
ando tão cheia, que poesia nenhuma pegou no tranco.

3 comentários:

juliano disse...

tava lendo o quintana e ele disse que ela é o único meio de parar as coisas no tempo.
achei bonito.

(afinal, quem menos precisa de poesia é o papel, né?)

Sabrina disse...

é lindo, ele consegue ser tão simples e preciso... adoro

(é verdade, ultimamente poesia tem se inscrito na pele mesmo)

senhorita feliciana disse...

ando tão cheia de furinhos doloridos
que palavra nenhuma nem passa nem transborda
fica presa pela borda cavucando mais a ferida

suas palavras são tão bonitas
que as minhas se intimidam
e formam um teatro colorido
de platéia que sorrindo
bate palma quando acaba