quinta-feira, 6 de novembro de 2008

cité de la petit mort

Decolagem agora tem rumo!



video

Muitas costas, espumas, laranjas, azuis, metais estão por vir.
Suculentos figos, caquis, cuscuz, castanhas, de escorrer
saliva, cheiro, e boca.
O barulho do mar é fotografável: revela-se de cima pra baixo, da superfície àprofunda pele, fixando-se aí.
Inscreve uma canção particular.
O vento é um abraço de rede, tem arco elástico para te lançar.
As cidades invisíveis agora marcam um pulso rítmico. Chamam com vozes de veludo e misteriosas, chamam - são perigosas.
Não foram descobertas, seguem cobertas por uma capa de película fina e invisível.
São terras e mais terras riquíssimas, frutíferas, úmidas e quentes, querem que as fecundem, que as façam gozar.




*para Calvino

4 comentários:

claire disse...

parei pra ler esse aqui de novo. e achei bom demais!

gostei muito de "revela-se de cima pra baixo, da superfície àprofunda pele, fixando-se aí"

"O vento é um abraço de rede, tem arco elástico para te lançar"

"Muitas costas, espumas, laranjas, azuis, metais estão por vir"

imagens-poema, poema-imagens

claire disse...

ah! e gostei da música pra decolagem!

Sabrina disse...

imagens-sons

para gosto

Sabrina disse...

trilha: arnaldo antunes, para o grupo corpo